Mateus Evangelista fatura ouro nos 100m no Rio de Janeiro

Após fratura em setembro de 2015, o atleta paralímpico conquistou o ouro no Open Internacional Caixa Loterias de Atletismo Paralímpico nesta quarta-feira

Mateus Evangelista com as duas mãos erguidas e aponta para o céu, em comemoração após a prova
Compartilhe:
O atleta Mateus Evangelista faturou o ouro no Open Internacional Caixa Loterias de Atletismo, nesta quarta-feira, 18, no Estádio Olímpico do Rio de Janeiro, o Engenhão. A medalha veio com o melhor tempo nos 100m da classe T37, disputada por atletas com paralisia cerebral. A competição serve de evento-teste para os Jogos Rio-2016.
Foi a primeira competição de Mateus pela Seleção desde a grave lesão que sofreu em setembro do ano passado. Na véspera do Mundial de Doha, o jovem de 22 anos fraturou o fêmur esquerdo. Após longo processo de recuperação no centro de referência da modalidade, em São Caetano do Sul, o atleta enfim retornou às pistas. E com vitória: cravou o tempo de 11s73 nos 100m- a quarta melhor marca do mundo nesta temporada.
“É um prazer estar de volta após nove meses. Minha equipe fez o melhor para que eu estivesse aqui. Nunca questionei se estaria ou não de volta. Sofri a lesão e, no mesmo dia, liguei para o fisioterapeuta para avisar que queria trabalhar na minha recuperação. Ainda não fiz o meu melhor, mas vou fazer bonito nos Jogos Paralímpicos”, disse Mateus.
O atleta ainda disputou o salto em distância, prova da qual já foi recordista mundial. Ele ficou com a terceira posição, com a marca de 5,66m. Vladislav Barinov e Gocha Khugaev, ambos da Rússia, ficaram nas primeiras colocações, com 5,79m e 5,76m, respectivamente.
Outro destaque do dia ficou por conta de Alessandro Silva. Ele venceu o lançamento de disco F11 (cegos totais) e foi além: quebrou o recorde das Américas da prova, com 43,16m.  A antiga marca pertencia ao argentino Sebastian Baldassarri (40,43m).  A performance o coloca no topo do ranking mundial da temporada.
Outra performance de destaque ficou por conta de Lorena Spoladore. A velocista da classe T11 se classificou às finais dos 100m com o melhor tempo, superando até mesmo a campeã paralímpica Terezinha Guilhermina. A atleta registrou 12s24 – melhor marca da sua carreira. Este é o segundo melhor tempo do mundo em 2016, atrás apenas da chinesa Guohua Zhou, que fez 12s18 no Grand Prix de Pequim, em abril.
“Claro que a gente fica sempre satisfeito de poder dar o seu melhor, mas já estou pensando na final de amanhã (quinta-feira)  para baixar ainda mais este tempo. Poder competir com a Terezinha é uma honra, já que ela é uma grande atleta e também pessoa”, afirmou Lorena.
O Open Internacional Caixa Loterias de Atletismo continua nesta quinta-feira, a partir das 16h. A programação prevê a final dos 100m (T11) tanto feminino quanto feminino, além da decisão  dos 100m na classe T44 (amputados de perna), com a presença do campeão paralímpico e recordista mundial Alan Fonteles. Petrucio Ferreira e Yohansson Nascimento duelarão nesta quinta, também na prova mais rápida do atletismo, na classe T47 (amputados de braço).
A competição no Rio de Janeiro conta com a presença de 316 atletas de 23 países. O Open ainda faz parte da série de Grand Prix promovida pelo Comitê Paralímpico Internacional (IPC, em inglês).
Programação da competição
Quinta-feira (19/05)- 16h às 20h
Sexta-feira (20/05)- 16h às 20h
Sábado (21/05)- 9h às 13h

Obs.: O público interessado em acompanhar a competição poderá retirar sua entrada de forma gratuita. Os tíquetes serão distribuídos a partir de 1h30 antes de cada sessão na própria bilheteria do Estádio Olímpico.

Fonte: Assessoria

9 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *