ADD lança livro sobre esportes de aventura para pessoas com deficiência

O livro, chamado “Aventura Adaptada”, será distribuído gratuitamente e também ficará disponível para acesso online, a partir de setembro

Montagem mostra a capa e o índice do livro Aventura Adaptada. Páginas mostram diversas fotos de pessoas com deficiência praticando esportes, como trekking, paraquedas, escalada, rafting, paratrike, tirolesa e rapel.
Compartilhe:

A Associação Desportiva para Deficientes – ADD e a Áurea Editora lançam, em setembro, o livro “Aventura Adaptada – Um Roteiro Turístico e Cultural” com dicas de destinos turísticos acessíveis com opções para a prática de esportes de aventura em meio à natureza. O guia traz seis sugestões de cidades no estado de São Paulo que oferecem atividades como escalada, em Bragança Paulista; trekking, em Atibaia; paraquedas, em Boituva; rafting, em Brotas; paratike, em Caraguatatuba e tirolesa/rapel em Socorro.

“Seja qual for o tipo de limitação de uma pessoa, a emoção proporcionada por um salto de paraquedas, por exemplo, é a mesma. Queremos mostrar que é possível enfrentar qualquer aventura com vontade e uma equipe preparada para atender às necessidades específicas de cada um. Espero que, por meio deste livro, possamos incentivar novos adeptos e colaborar para que tenhamos uma sociedade cada vez mais inclusiva”, comenta Eliane Miada, fundadora da ADD.

Em um período de 30 dias, a equipe de produção do guia selecionou alguns aventureiros com deficiência para experimentar cada um dos esportes. A experiência foi a fonte das belíssimas imagens que ilustram o livro e dos depoimentos emocionantes de cada um dos participantes.

Além das sugestões de rotas, os leitores também encontrarão dicas de hotéis com apartamentos adaptados e acessibilidade, orientação de trajetos para cada cidade (de carro ou ônibus) e recomendações como tipos de roupas e materiais necessários para a prática de cada atividade.

A edição 01 do livro “Aventura Adaptada – Um Roteiro Turístico e Cultural” terá distribuição gratuita. Estará disponível em bibliotecas públicas e secretarias municipais de cada uma das seis cidades citadas, além da capital paulista, e também para acesso online no site: http://aventuraadaptada.aureaeditora.com.br

Fonte: Assessoria

6 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *