Inclusão de alunos com deficiência em escolas cresce 6 vezes

Nos últimos 10 anos, colégios exclusivos para pessoas com deficiência perdem espaço no país

Ícone que representa um livro aberto, em fundo roxo.
Compartilhe:

O número de jovens com deficiência em salas de aula comuns teve um aumento significante entre 2005 e 2015. De acordo com o Censo Escolar, do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), a presença de estudantes especiais cresceu 6%, subindo de 114.834 para 750.983.

No primeiro ciclo do Ensino Fundamental, os alunos com deficiência correspondem a 2,9% do total de matrículas, proporção que diminui para 1,8% na segunda etapa deste nível de ensino e atinge apenas 0,8% no Ensino Médio.

O crescimento pode ter uma ligação com as mudanças na legislação e com a Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva, aprovada em 2008. Em junho de 2016, o Supremo Tribunal Federal (STF) confirmou a proibição de escolas cobrarem taxas extras na mensalidade de crianças com deficiência.

Os dados do Inep, destacam que em 2015 haviam 930.683 alunos com deficiência e transtornos globais de desenvolvimento no ensino regular e no EJA (Educação de Jovens e Adultos).

Entre esses alunos, 81% estudavam em escolas comuns e apenas 19% nos colégios ou salas exclusivas para pessoas com deficiência. Em 2005, o quadro era completamente diferente, somente 492.908 pessoas com necessidades especiais estudavam no país.

Apesar do aumento do número de crianças com deficiência nas salas de aula, ainda existem dificuldades a serem superadas para que a inclusão ocorra de forma completa. É comum encontrar, por exemplo, professores sem formação específica para ensinar alunos com necessidades especiais, excesso de alunos por sala, desconhecimento sobre as características das deficiências e falta de infraestrutura nos locais de ensino.

Fonte: Minha Vida

6 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *