Governo seleciona projetos com tecnologia assistiva

Os trabalhos serão expostos no TOM São Paulo; evento reúne especialistas de várias áreas com o objetivo de desenvolver as melhores soluções voltadas para o setor

Ícone que representa um monitor de computador, em fundo roxo.
Compartilhe:

A Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência promove, pelo terceiro ano consecutivo, a iniciativa para selecionar projetos tecnológicos e tecnologia assistiva, voltados para inclusão e melhoria da qualidade de vida de pessoas com deficiência.

Eles serão expostos no TOM São Paulo, que acontecerá entre os dias 11 e 13 de novembro, no Centro de Convenções Rebouças, em São Paulo. A capital paulista foi a segunda cidade no mundo a promover o evento, fora de Israel, país que deu origem a ele.

As inscrições vão até 14 de outubro. Podem participar estudantes, professores ou pesquisadores de colégios, escolas técnicas, faculdades, universidades e centros de pesquisa de todo o Estado de São Paulo. Os projetos podem versar sobre todos os tipos de deficiência: física, visual, auditiva, intelectual ou múltipla.

Participam do TOM São Paulo especialistas em diversas áreas, como engenheiros, médicos, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, designers, profissionais de TI, arquitetos e outros – com e sem deficiência, que se reúnem para encontrar soluções que beneficiam pessoas com todo o tipo de deficiência.

Ideias e desafios para o TOM SP
Inscrições: até 14/10, pelo e-mail: rlanda@sedpcd.sp.gov.br

Fonte: Portal do Governo do Estado de São Paulo

6 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *