Exposição fotográfica inclusiva no Centro Cultural Correios do Rio

A mostra traz série de fotos com recurso tátil e audiodescrição até 4 de dezembro, com entrada gratuita na Caixa Cultural Correios do Rio de Janeiro

Foto de uma obra em alto relevo sendo tateada por uma mão feminina; a imagem tátil é de um senhor sentado em frente a uma mesa
Compartilhe:

Ao contrário dos museus e mostras tradicionais, a Exposição Fotográfica Lentes da Memória – A Descoberta da Fotografia de Alberto de Sampaio, 1888-1930 propõe justamente o contrário: “Por favor, toque”. Com recurso tátil e audiodescrição, a mostra fica em cartaz até 4 de dezembro, no Centro Cultural Correios Rio de Janeiro. A entrada é gratuita.

Para quem enxerga, viver essa sensação pode ser uma forma de praticar a empatia, colocando-se no lugar de quem não enxerga e aproveitar a mostra com outro sentido, além da visão. É possível passear pelas obras táteis com os olhos vendados ouvindo a descrição de imagens, vivenciando a mesma maneira que as pessoas com deficiência visual têm acesso às informações visuais.

A exposição disponibilizará também maquete tátil do espaço da exposição e de objetos que estarão expostos, como a máquina fotográfica e câmera de filmar, muito utilizadas pelo fotógrafo Alberto de Sampaio.

As fotografias que compõem o acervo audiodescrito também contam com QR Codes para que o público, com deficiência visual ou não, possa acessar a descrição por meio do celular. Além dos recursos táteis e de áudio, há profissionais audiodescritores a postos em todos os dias da exposição, de terça à domingo, para receber grupos previamente agendados e acompanhar pessoas com deficiência visual durante a visita.

AÇÕES E HORÁRIOS

Monitores e recursos de audiodescrição disponíveis a todos os visitantes em todo o período da exposição. Audiodescrição gravada em canetas pentops para público com deficiência visual e Audiodescrição ao vivo com monitor para público com deficiência visual.

Audiodescrição ao vivo com monitor audiodescritor para grupos pré-agendados de pessoas com deficiência visual, em horário a combinar pelo telefone: (21) 99466 2096, com Gustavo.

O que: Exposição Fotográfica Inclusiva “Por favor, toque!”
Quando: até 4/12;  de terça-feira a domingo, das 12h às 19h
Onde: Centro Cultural Correios do Rio de Janeiro
Endereço: Rua Visconde de Itaboraí, 20, Centro, Rio de Janeiro – RJ
Fone.: (21) 2253-1580
Obs.: entrada gratuita

9 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *