São Paulo promove mostra em homenagem a PCDs de destaque

A exposição vai até o dia 19 de janeiro, no Memorial da América Latina, e traz grandes personalidades da história, como Anita Malfatti e Ludwig van Beethoven

Foto de uma das áreas da exposição, com uma mesa. Nela. há uma encadernação aberta, aparada por um suporte
Compartilhe:

Pessoas com deficiência que fizeram a diferença em sua época com inovações na ciência e nas artes artes são tema da mostra Grandes Nomes, Grandes Feitos, em São Paulo, no Memorial da Inclusão, no complexo do Memorial da América Latina, zona leste da cidade.

A mostra sensorial reúne 12 personalidades da história da humanidade com algum tipo de deficiência. A exposição pode ser visitada até o dia 19 de janeiro.

A instalação traz histórias de personalidades como o compositor Ludwig van Beethoven, que viveu entre os séculos 18 e 19, autor de músicas que até hoje estão presentes no cotidiano das pessoas. O alemão continuou a trabalhar mesmo após ficar surdo. Também foi retratada a pintora Anita Malfatti, um nome relevante do modernismo brasileiro, que tinha a mão e o braço direito atrofiados.

Segundo a museóloga do memorial, Carla Grião, a proposta é homenagear essas pessoas, ajudando a diminuir a invisibilidade dessa parcela da população. “Para mostrar que elas existem e contribuem para com a sociedade. Tirar a carga da deficiência, pensar o conteúdo do que fizeram e criaram”, afirmou Carla.

A vida da astrônoma norte-americana Henrietta Swan Leavitt aborda não só os problemas enfrentados devido à surdez, mas as dificuldades de gênero no século 19. “Temos que pensar o lugar da mulher naquele momento”, ressaltou a museóloga sobre o trabalho da norte-americana no Observatório Astronômico de Havard. “ Foi muito importante para o desenvolvimento da astronomia, a forma como ela conseguiu catalogar diversas constelações”, disse, ao comentar a história da astrônoma, que iniciou a carreira como voluntária.

A exposição aborda diversas áreas do conhecimento e vários tipos de deficiência. A acessibilidade de pessoas com deficiência é garantida por textos em braile, em português. Há peças sensoriais que facilitam a compreensão e despertam o interesse do público de diferentes idades.

Pode ser visto ainda o material de trabalho usado pela pintora expressionista brasileira Anita Malfatti. Também podem ser conferidas as técnicas usadas pelo fotógrafo cego Evgen Bavcar, em seu trabalho, e o modo como o compositor Ludwig van Beethoven, depois de ter perdido parte da audição, podia sentia as vibrações de sua 9ª Sinfonia.

Fonte: EBC Agência Brasil

9 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *