Centro de Inclusão da Pessoa com Deficiência realiza Carnaval na Paraíba

Prefeitura de João Pessoa promove baile de carnaval para pessoas com deficiência nesta sexta-feira (17), no Centro de Inclusão

Foto em close de várias serpentinas e confetes coloridos espalhados
Compartilhe:

Cerca de 120 crianças, adolescentes, adultos e familiares do Centro de Referência Municipal de Inclusão da Pessoa com Deficiência (CRMIPD), vão cair na folia de Momo na próxima sexta-feira (17). O Carnaval vai ser realizada das 14h às 17h, no próprio Centro de Inclusão, localizado na Rua Cel. Otto Feio da Silveira, 161, Pedro Gondim.

A fisioterapeuta Nadja Marques, lembra que a concentração da folia será na área interna da Unidade Municipal. “Mas se o tempo for favorável, sairemos com o bloco pelas ruas do nosso contorno”, destacou. Ela diz que o clima do Carnaval já tomou conta dos usuários.

Para provocar essa animação, as equipes já iniciaram os preparativos. “Já iniciamos a produção dos adereços, como máscaras, colares, bandeirinhas. Eles ficam muito animados com isso”, revela.

Socialização

Nadja fala sobre a importância da realização do Carnaval e outras festas, para o desenvolvimento social e psicológico dos visitantes. “É um momento que se busca o fortalecimento dos vínculos familiares e comunitários, onde promove-se a elevação da autoestima e socialização, dando a oportunidade de incluí-los em atividades comuns a todas pessoas”, define.

As festas temáticas, como o Carnaval, o São João e o Auto do Natal são momentos esperados com muita ansiedade pelos usuários do Centro de Inclusão, formado por crianças, adolescentes e adultos.

O Centro de Inclusão é um serviço da Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP), executado sob a coordenação das três secretarias municipais do Desenvolvimento Social, Educação e Saúde.

Fonte: Prefeitura de João Pessoa

3 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *