Mulher tenta expulsar cega da praia por causa de cão-guia em SC

Caso aconteceu em uma praia de Balneário Camboriú; ao entrar no mar com seu cão-guia, a turista foi repreendida por outras pessoas

Compartilhe:

O jornal Extra publicou notícia sobre discriminação de uma cega com seu cão-guia em Balneário Camboriú, em Santa Catarina. Confira o texto na íntegra:

O que deveriam ser 10 dias de férias e relaxamento nas praias de Balneário Camboriú para a professora primária Olga Souza, de 57 anos, acabou se transformando numa confusão em torno da presença de seu cão-guia, Darwin, na faixa de areia. Na última-quarta feira, uma banhista decidiu chamar a Polícia Militar (PM) ao ver Olga entrando no mar na companhia de Darwin.

Segundo Olga, um homem a abordou quando ela estava dentro d’água com o cachorro e ela explicou que era cega e precisava do cão-guia para se movimentar. Ele estava acompanhado da mulher, que não se conformou com a explicação e decidiu chamar a polícia militar.

— O guarda me disse que uma pessoa fez a denúncia por se sentir ofendida moral e fisicamene porque tinha um cachorro perto dela na praia. Até agora eu nunca tinha enfrentado a polícia militar, mas essa mulher foi às últimas e decidiu acioná-los — contou.

De acordo com o coronel Evaldo Hoffmann, comandante do 12° Batalhão da PM, o oficial de serviço do dia foi ao local porque estava se formando uma confusão por parte dos banhistas, que não queriam o cachorro na faixa de areia.

Cega desde que nasceu, Olga trabalha na inclusão de crianças com deficiência no ensino regular em Porto Alegre, onde mora. A professora já está no seu segundo cão-guia, mas nunca passou por situação semelhante.

— Não posso trocar a minha deficiência como troco de roupa. Eu sou uma pessoa como todas as outras, tenho que ter o meu lazer também. Foi bastante incômodo. Se fosse uma pessoa com seu primeiro cão-guia talvez ficasse nervosa, mas eu fui levando na medida do possível.

Fonte: Extra

6 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *