Conheça curiosidades sobre o sistema braille

Para marcar o Dia Nacional do Braille, a Fundação Dorina Nowill reuniu algumas curiosidades sobre o sistema para leitura de pessoas com deficiência visual

Foto mostra dedos em close, tateando um texto em braille.
Compartilhe:

8 de abril é o Dia Nacional do Braille, sistema de escrita e leitura por tato criado para pessoas com deficiência visual.

Para marcar a data, a Fundação Dorina Nowill reuniu algumas curiosidades sobre o sistema. Acompanhe:

– O Braille foi criado por Louis Braille, na França, há 192 anos e continua se adaptando a toda a evolução da escrita;
– O Dia Mundial do Braille é comemorado em 04 de janeiro, data de nascimento de Louis Braille;
– O sistema Braille é um método de escrita e leitura baseado no tato;
– O Braille é a combinação de seis pontos que formam 63 caracteres em relevo;
– A cela braille é formada por duas colunas de três pontos;
– Há combinações para a representação de letras, números, símbolos científicos, notas musicais, fonética e informática;
– Nem toda pessoa cega lê o Braille, e isto se dá por diferentes motivos: perda visual na idade adulta, falta de sensibilidade no tato por diferentes patologias;
– O braille é utilizado por pessoas cegas ou com baixa visão, e a leitura é feita da esquerda para a direita, utilizando-se uma ou ambas as mãos;
– Cada caractere do Sistema Braille pode ser percebido com apenas um toque da parte mais sensível do dedo indicador (a polpa);
– Cada página em tinta corresponde a aproximadamente três páginas em braille;
– Os livros em braille devem ser preferencialmente transcritos em papel sulfite de gramatura 120;
– O Sistema Braille obedece a regras internacionais de altura do relevo e de distância entre pontos, entre “celas” e entre linhas;
– O braille também pode ser escrito à mão, utilizando uma ferramenta chamada reglete e outra chamada punção, que funcionam como caderno e caneta;
– A escrita manual deve ser feita da direita para a esquerda para garantir o relevo ao virar o papel que foi puncionado;
– Segundo o Censo 2010, existem no Brasil mais de 6,5 milhões de pessoas com deficiência visual, sendo 582 mil cegas e 6 milhões com baixa visão.

Fonte: Assessoria

9 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *