I Encontro Estadual de Profissionais Tradutores e Intérpretes de Libras destaca comunicação inclusiva

Evento destacou a importância da comunicação inclusiva e contou com palestra da jornalista Cláudia Werneck

Compartilhe:

O I Encontro Estadual de Profissionais Tradutores e Intérpretes de Libras, realizado pela Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência de São Paulo, aconteceu nos dias 5 e 6 de maio. O evento contou com a participação da Secretária de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência de São Paulo, Dra. Linamara Rizzo Battistella.

A Secretária ressaltou a importância cultural do trabalho realizado pelos intérpretes de Libras. “O intérprete de Libras tem esse compromisso cultural, não é apenas um intérprete de palavras, ele vai além: ele é intérprete de emoções, de sentimentos e isso não é uma tarefa simples, mas nós queremos que essa tarefa seja facilitada”, afirmou a Secretária.

“Nós queremos construir uma forma de que o intérprete, sobretudo esse que trabalha no âmbito do Governo e inclusão cultural, possa ser cada vez mais eficiente na transcrição de conhecimento, da cultura do nosso país e da modernidade da comunicação”, acrescentou a Dra. Linamara.

Para a Secretária, a importância de uma boa comunicação é peça fundamental para o desenvolvimento do país. “São Paulo sempre foi e deverá ser, nos próximos anos, pelas condições atuais, a locomotiva do desenvolvimento do Brasil, isso não pode ser diferente com respeito à comunicação entre todos nós, pessoas que vivem nesta cidade, brasileiros que moram neste estado e que sabem e entendem que o Brasil é e continua sendo o país do futuro”.

“Nenhuma dessas questões que assolam o nosso país são mais importantes do que todos os brasileiros lutando pelo desenvolvimento do nosso país, mas para isso precisamos nos comunicar bem, nos comunicar com qualidade e vocês são peças fundamentais neste jogo e nós queremos estar juntos construindo o melhor e o mais qualificado meio de comunicação”, ressaltou a Doutora.

Comunicação Inclusiva

Com destaque, o Encontro debateu a importância da comunicação inclusiva, com palestra ministrada pela jornalista e escritora, Cláudia Werneck. Com vasta experiência na área de inclusão, por meio de sua instituição Escola de Gente e 14 livros de sua autoria sobre diversos temas relacionados à inclusão social de pessoas com deficiência, Cláudia abordou temas importantes como o combate à discriminação da pessoa com deficiência, relatando também a legislação que as protegem. Ela também destacou o quanto as crianças precisam de atenção já que elas não têm conhecimento sobre isso.

Um dos pontos altos da palestra de Cláudia Werneck foi a exemplificação, por meio de um desenho, do impacto da sociedade na pessoa com deficiência, com um caminhão batendo num carro. A palestrante explica que as forças, tanto do caminhão quanto do carro são iguais, mas o carro, por sua vez, sofreria mais com o impacto. Cláudia cita que, quando uma pessoa surda não entende determinada mensagem, não apenas ela perde com isso, todo o sistema se prejudica também, destacando a perda sofrida pela sociedade.

Fonte: Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência

6 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *