Vestimenta futurista reproduz vibração de música clássica para pessoas surdas

The Sound Shirt vibra conforme a intensidade do som, permitindo que surdos sintam a experiência de um concerto sinfônico

Foto de uma mulher com deficiência auditiva usando a camiseta The Sound Shirt que é preta com fios azuis
Compartilhe:

O som passa por muitos volumes, linhas, timbres e canais até chegar aos ouvidos dos espectadores. Assim, também se torna uma experiência sensorial. Foi pensando nisso que surgiu a The Sound Shirt, uma roupa tecnológica que reproduz música clássica para pessoas deficiência auditiva. Sua criação é fruto de uma parceria entre a agência alemã Jung von Matt e a Orquestra Sinfônica de Hamburgo. Objetivo é ampliar a presença dos surdos dentro de uma sala de concerto.

A vestimenta funciona a partir da sonoridade de oito instrumentos distintos, captadas pelos microfones no palco. Um software traduz o som em dados, que são enviados via wireless para a roupa. A partir disso, 16 microatuadores incorporados no tecido passam a vibrar conforme a intensidade da música, permitindo um concerto sinfônico em tempo real para surdos.

O mapeamento do corpo é intuitivo na hora de captar as notas. As mais profundas, vindas do baixo, são sentidas na região do tronco, enquanto as mais leves e sensíveis, como de um violino, vão para a área do pescoço e da clavícula. Sentindo, literalmente, a música correndo ao redor dos membros, os espectadores não ouvintes conseguem compreender a correlação entre o que é apresentado no palco e o que é transmitido pela Sound Shirt.

A ação, não por acaso, concorreu ao Leão de Ouro no Festival Internacional de Criatividade de Cannes em 2016, junto com o projeto brasileiro Emoti Sounds, que “traduziu” os famosos emojis para deficientes visuais.

Fonte: Razões para Acreditar

6 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *