Primeiro parque aquático acessível para pessoas com deficiência inaugura no Texas

Morgan’s Inspiration Island tem cadeiras de rodas à prova d’água para os visitantes e entrada gratuita para quem tem algum tipo de deficiência

Foto de um parque aquático com duas garotas de aproximadamente 5 anos, uma delas cadeirante, brincando em um chafariz.
Compartilhe:

A inauguração do Morgan’s Inspiration Island, primeiro parque aquático totalmente acessível para pessoas com deficiências físicas e cognitivas do mundo, foi inaugurado no último sábado, 16. O parque faz parte do já existente Morgan’s Wonderland, criado em 2010 para receber e promover a diversidade, que fica em San Antonio, no Texas, Estados Unidos.

“Assim como o complexo Wonderland, o Morgan’s Inspiration Island não é um parque para pessoas com necessidades especiais, é um parque de inclusão”, disse Gordon Hartman, o filantropo por trás do parque, num comunicado. “Aqueles com obstáculos cognitivos ou físicos podem fazer a mesma coisa que todo mundo”, disse Bob McCullough, representante do parque, à revista Time.

Todas as atrações, como piscinas, tobogãs e um lago artificial que conta com barcos, têm entrada acessível a cadeira de rodas. Além disso, o próprio parque oferece cadeiras de rodas à prova d’água, chamadas de PneuChair.

Um dia antes da inauguração, visitantes com deficiências físicas testaram todas as atrações, e a equipe do parque consultou familiares, educadores e médicos no processo de construção. Pessoas com deficiências podem entrar gratuitamente no parque, mas devem fazer reservas online.

Fonte: E Mais – Estadão

6 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *