Sala São Paulo tem concerto acessível da Osesp com audiodescrição

A apresentação acessível é uma iniciativa da Fundação Osesp e conta com audiodescrição do local e do concerto

Ícone que representa uma nota musical, em um fundo azul
Compartilhe:

A Sala São Paulo recebe, neste domingo, 25, o quarto espetáculo acessível e inclusivo da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo, a Osesp. A apresentação matinal terá dois regentes, com destaque para o violoncelista Luiz Venturelli, de apenas 17 anos, premiado entre os cinco primeiros no último Concurso Jovens Solistas da Osesp.

Haverá audiodescrição do local e do concerto, que começa pontualmente às 11 horas. Pessoas com deficiência têm entrada gratuita e direito a acompanhante, mas é preciso reservar os ingressos até às 16 horas, do dia 23 de junho (sexta-feira).

Para fazer a reserva, basta enviar um e-mail para comunicacao@md.org.br, com nome completo, CPF e telefone. A retirada de ingressos acontece uma hora antes do espetáculo, na mesa de convidados da bilheteria, localizada no térreo, próximo da catraca de entrada.

O programa tem início com “Abertura Concertante”, de Camargo Guarnieri, executada pela orquestra. A peça será regida por José Soares, jovem regente convidado da Academia e indicado pela direção da Osesp. Na sequência, vem o “Concerto nº 1” de Dmitri Shostakovich, regido pelo maestro inglês Neil Thomson e com solo de Luiz Venturelli.

No dia do concerto, a sugestão é chegar à Sala São Paulo com antecedência de no mínimo uma hora para retirar os ingressos em tempo e conferir uma introdução sobre a sala e o espetáculo. Estes informativos contam com audiodescrição e Língua Brasileira de Sinais (Libras).

O quê: Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo – Matinais: Osesp e Thomson
Quando: 25 de junho (domingo), às 11h
Onde: Sala São Paulo
Endereço: Praça Júlio Prestes, 16, Campos Elíseos. São Paulo/SP
Telefone: (11) 3223-3966
Ingressos: Gratuito

Fonte: Mais Diferenças

9 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *