Aplicativo “Accessibility Macapá” visa ajudar pessoas com deficiência em Macapá

Desenvolvido por alunos do 4º semestre do curso de Engenharia Elétrica da Universidade Federal do Amapá (Unifap), app mapeia locais acessíveis

Em fundo roxo, ícone que representa um smartphone
Compartilhe:

Nesta segunda-feira, 30/10, representantes da Secretaria Municipal de Assistência Social e do Trabalho (Semast) e da Coordenadoria de Mobilidade e Acessibilidade Urbana (CMMAU) receberam alunos do 4º semestre do curso de Engenharia Elétrica da Universidade Federal do Amapá (Unifap).

O encontro foi para tratar sobre a criação de um aplicativo com acessibilidade, o “Accessibility Macapá”, que os universitários estão desenvolvendo. Eles visam dar maior atenção às pessoas com deficiência, de modo que, ao utilizarem, esse público poderá encontrar mais opções de lugar com acessibilidade, onde será bem recebido.

O aplicativo em questão funciona como um mapa da cidade para pessoas com deficiência e faz a indicação de lugares como hotéis, restaurante e espaços de lazer que possuem acessibilidade. O aplicativo possui 4 botões, sendo eles: home, favoritos, categorias e busca, com mais opções de lazer, entretenimento. Além disso, a ferramenta ainda contará com um sistema de avaliação dos lugares, que funcionará como referência, e até mesmo um incentivo para que os estabelecimentos possam melhorar no que diz respeito à acessibilidade.

Mais de 45,6 milhões de brasileiros declararam ter alguma deficiência, segundo dados do Censo Demográfico 2010, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O número representa 23,9% da população do país. A deficiência visual foi a que mais apareceu entre as respostas dos entrevistados e chegou a 35,7 milhões de pessoas. Pelo estudo, 18,8% dos entrevistados afirmaram ter dificuldade para enxergar, mesmo com óculos ou lentes de contato. De acordo com o IBGE, 28% dos amapaenses têm alguma deficiência.

“Não é novidade dizer que essas pessoas enfrentam desafios diários, inclusive, na questão da comunicação. Daremos todo suporte necessário para que a gestão municipal, junto com os acadêmicos, possa promover essa parceria com o objetivo de ajudar as pessoas com deficiência”, enfatizou o titular da Semast, Lucas Abrahão.

Os criadores do aplicativo, Evelyn Auzier, Amanda Fernandes e Jean Tourinho, disseram que o objetivo inicial era para que participassem do acampamento de programação Campus Mobile, mas a ideia ganhou uma proporção maior. “Porque surgiu o desejo de ajudar, de alguma forma, as pessoas com deficiência. Estas, que são tão esquecidas pela sociedade, mas que assim como qualquer pessoa tem o seu valor e merecem ser lembradas. Mas era uma ideia interna e ganhou forma, por isso, fomos atrás da prefeitura com o propósito de oferecer esse serviço”, informou Evelyn Auzier.

O titular da CMMAU, Jodoval Farias, ficou bem animado com a parceria e ajudará os acadêmicos com algum espaço com ou sem acessibilidade, catalogado pela Coordenadoria de Acessibilidade.

Fonte: Chico Terra

9 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *