Parque Botafogo não oferece acessibilidade após revitalização

Relatório técnico realizado pelo CAU-GO mostra diversos desníveis e uma tipografia complicada no local

Foto do parque, com a placa em evidência, ao lado de um portão verde e uma calçada desnivelada
Compartilhe:

O Conselho de Arquitetura e Urbanismo de Goiás (CAU-GO) irá apresentar nesta semana relatório técnico de acessibilidade realizado no Parque Botafogo, localizado no setor Vila Nova, em Goiânia. De acordo com a entidade, o estudo apontou que o local não oferece acesso pleno a todos os cidadãos da capital.

Dentre as irregularidades constatadas, o CAU constatou que não há rebaixo na calçada para a via de acesso à unidade; o passeio possui diversos obstáculos, como orelhão e poste, que impedem a circulação de cadeirantes; a área de convivência, com mesas e bancos sombreados, somente tem acesso por escada; e a quadra poliesportiva apresenta uma vala que impossibilita seu acesso por pessoas com mobilidade reduzida.

A rampa do teleférico que leva até o Parque Mutirama também não é acessível.O Conselho de Arquitetura e Urbanismo de Goiás (CAU-GO) irá apresentar nesta semana relatório técnico de acessibilidade realizado no Parque Botafogo. De acordo com a entidade, o estudo apontou que o local não oferece acesso pleno a todos os cidadãos da capital.

Em entrevista ao Jornal Opção, a gerente técnica do conselho, Giovana Jacomini, explicou que o relatório foi produzido após solicitação do Ministério Público Goiás, após denúncia sobre as condições estruturais do local. “Apesar de ter sido revitalizado há pouco tempo, a acessibilidade no local não foi inteiramente contemplada. Há vários desníveis e uma tipografia complicada”, acrescenta.

Fonte: Jornal Opção

6 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *