Etec e Fatecs desenvolvem projetos para pessoas com deficiência

Alunos foram desafiados a direcionar trabalhos de conclusão de curso para melhorar a vida de pessoas com limitação de mobilidade

Foto de um espaço amplo e iluminado, com uma cadeira de rodas parada em frente a um elevador
Compartilhe:

Etec e Fatecs, das regiões do Alto Tietê e de Sorocaba, respectivamente, desenvolveram tecnologias assistivas para pessoas com deficiência. A Escola Técnica Estadual (Etec) Presidente Vargas, em Mogi das Cruzes, aproveitou o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) dos alunos do técnico de Mecânica para colocar à prova o conhecimento dos jovens. A iniciativa incentivou os estudantes a intervir positivamente na sociedade. Eles foram desafiados a desenvolver tecnologias assistivas para melhorar a vida de pessoas com limitação de mobilidade. E, foram aprovados.

Ao todo foram desenvolvidos sete projetos em que os produtos finais serão doados a instituições de assistência da região. A maioria dos alunos já apresenta temas de diversas áreas ligadas à tecnologia, meio ambiente e saúde. Com as habilidades adquiridas são feitas melhorias em máquinas e equipamentos. E desta vez as instituições direcionaram as pesquisas e os alunos abraçaram a ideia. Acesse o documento online para ver tos TCCs apresentados pelos alunos da Etecs.

Além das iniciativas da Etec do Alto Tietê, a outra boa notícia veio na semana em que se comemora o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência. Foi a exposição de projetos desenvolvidos por estudantes de três Faculdades de Tecnologia do Estado (Fatecs) na final do Prêmio Ações Inclusivas para Pessoas com Deficiência.

A premiação reconhece as dez melhores práticas inclusivas entre os mais de cem projetos inscritos. Puderam participar do Prêmio representantes da gestão pública, de instituições não governamentais sem fins lucrativos e meios digitais. O Brasil tem hoje cerca de 45 milhões de essoas com algum tipo de deficiência. Somente no Estado de São Paulo esse número ultrapassa 9 milhões. Confira a lista dos finalistas no Prêmio Ações Inclusivas para Pessoas com Deficiência.

Fonte: Portal do Governo de São Paulo

9 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *