Memorial da Inclusão inaugura exposição tátil com acervo do Sesc São Paulo

A mostra traz doze trabalhos de artistas contemporâneos nacionais e internacionais, do acervo do Sesc, traduzidos em reproduções táteis com variadas técnicas e recursos

Foto de um grande painel preto, com três aviões voando em diferentes direções. Os aviões são feitos de tecido, plástico e outros materiais com diferentes texturas, em laranja, azul, detalhes em dourado, prateado e plástico-bolha. Há dizeres em braile, com o texto: Obra Tapete Voador I, II e III; artista: Alex Flemming; adaptação tátil: Marina Baffini
Compartilhe:

O Memorial da Inclusão, ação da Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência de São Paulo, recebe a exposição temporária “INCLUA-ME Arte e Cultura para Todos”, da artista plástica Marina Baffini.

Por meio dos sentidos e da exploração da estética tátil, cada visitante poderá experimentar e amplificar sua maneira de se relacionar com a obra de arte; além de investigar sensações e analogias entre relevos, formatos e texturas.

A informação estética da sua realização e a essência das obras foram preservadas, para que a original e a sua tradução revelem-se em diferentes linguagens, mas mantenha entre si uma relação de mesma forma. A palheta de cores foi mantida e valorizada nas adaptações, algumas vezes modificadas em contraste, tornando as imagens acessíveis para todas as pessoas.

A exposição fica no espaço até 28 de março e pode ser visitada gratuitamente, de segunda a sexta-feira das 10h às 18h e aos sábados das 13h às 17h (exceto feriados e pontos facultativos).

O quê: Exposição INCLUA-ME Arte e Cultura para Todos
Quando: de 3/2 a 28/3, de segunda a sexta-feira das 10h às 18h e aos sábados das 13h às 17h (exceto feriados e pontos facultativos)
Onde: Memorial da Inclusão
Endereço: Avenida Auro Soares de Moura Andrade, 564, Portão 10, Barra Funda, São Paulo/SP
Tel.: (11) 5212-3727
Obs: Com Audiodescrição, interpretação em Libras e adaptação tátil

6 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *