Documentário fala das dificuldades diárias de pessoas com deficiência

Estudante cega filma sozinha “Lentes Escuras”, documentário que aborda as dificuldades enfrentadas por pessoas com deficiência

Arte de foto em preto e branco, com uma bengala de cego tateando o chão. Sobre a imagem, há os dizeres, em letra cursiva: Lentes Escuras
Compartilhe:

O programa Nacional Jovem conversou com Caroline Barbosa Reis, estudante de jornalismo, que filmou sozinha o documentário “Lentes Escuras”. Caroline é cega desde que nasceu.

O documentário mostra as dificuldades do dia a dia enfrentadas por pessoas com algum tipo de deficiência. Ele tem duração de 30 minutos e foi apresentado como trabalho de conclusão de curso da Universidade Federal do Tocantins (UFT).

Segundo a estudante, o documentário tem sua percepção de mundo: “Em alguns trechos do documentário, procurei colocar os próprios entrevistados me orientando, tanto que algumas imagens são desfocadas, tremidas ou em movimento, pois é a minha visão”, afirmou Caroline Reis.

Caroline contou que, em alguns momentos, o orientador dela gravou imagens da estudante realizando o documentário.

Foram 12 depoimentos, entre eles de atletas do Instituto Reviver, que trabalha o esporte na vida da pessoa com deficiência.

As pesquisas para o documentário começaram em agosto de 2017. A filmagem e entrega foi em dezembro do mesmo ano.

A futura jornalista pretende inscrever o documentário em festivais de curta-metragem.

Abaixo, o teaser de Lentes Escuras:

Fonte: Portal EBC

6 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *