Mapa dos equipamentos e serviços públicos com acessibilidade de São Paulo

Disponibilizado pela Secretaria da Pessoa com Deficiência, o mapa online tem como objetivo facilitar a busca aos serviços públicos que incluam pessoas com deficiência, bem como traçar rotas e informações para contato

Mapa de bairros de São Paulo com diversos pins em roxo, laranja e verde
Compartilhe:

Para simplificar a busca de informações sobre acessibilidade nos serviços públicos da cidade de São Paulo, a Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência (SMPED) disponibiliza em seu site a partir do dia 5 de março, o Mapa da Rede da pessoa com deficiência, instrumento que mostra geograficamente os equipamentos que atendam pessoas com deficiência.

O mapa online, feito na plataforma Google, destaca os locais acessíveis organizados por cores para consulta e análise.

Além de trazer informações para contato, como endereço e telefone, o site também apresenta dados sobre a acessibilidade do equipamento, como atendimento em Língua Brasileira de Sinais (Libras), rampa de acesso, entre outros. Vale ressaltar que nem todos os equipamentos são plenamente acessíveis, alguns apresentam requisitos mínimos de acessibilidade para garantir o acesso da pessoa com deficiência.

“A intenção futura do projeto é inserir todos os locais da cidade que possuem acessibilidade, sejam eles privados ou públicos, para que todos façam uma consulta rápida dos locais que cumprem as normas de acessibilidade. Nossa meta é que o mapa seja um estímulo aos comerciantes e demais equipamentos de incluírem a pessoa com deficiência”, esclarece o secretário municipal da Pessoa com Deficiência, Cid Torquato.

A plataforma foi feita por meio de pesquisa e busca sobre os equipamentos acessíveis em cada pasta municipal com apoio da Comissão Permanente de Acessibilidade, órgão vinculado a SMPED. O Mapa está em constante construção e aberto a contribuições de locais públicos e privados, a partir de análise.

O Mapa da Rede da Pessoa com Deficiência está disponível no site da prefeitura

Fonte: Assessoria

9 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *