Projeto Práticas e Desafios da Educação Inclusiva divulga guia sobre o tema

Com oito capítulos, lançados separadamente, a publicação resulta da parceria com a Secretaria da Educação de Ribeirão Preto/Coordenadoria de Educação Especial e apoio do Carrefour e Instituto Carrefour

Em fundo azul, arte minimalista na cor branca, com ícones de um caderno e um lápis
Compartilhe:

A Educação Inclusiva ainda é um desafio nas escolas brasileiras. Em Ribeirão Preto, no interior de São Paulo, o Amankay Instituto de Estudos e Pesquisas lançou o terceiro capítulo do “Guia do Educador Inclusivo”, publicação com capítulos temáticos que são publicados gradativamente, de forma online e gratuita.

Sob a coordenação de Marta Gil, o projeto visa fortalecer o processo de inclusão nas escolas brasileiras.

A ação integra o projeto “Práticas e Desafios da Educação Inclusiva”, que conta com o apoio do Carrefour e do Instituto Carrefour, e a participação da Coordenadoria de Educação Especial da Secretaria Municipal da Educação de Ribeirão Preto.

Ao todo, três capítulos já estão disponíveis para consulta: “Capítulo 1 – Inclusão, o que é?”; “Capítulo 2 – Quem cabe na Inclusão?”, e o recém-lançado “Capítulo 3 – Como preparar atividades pedagógicas para todos”.

O site tem ferramenta de busca e o texto é dividido em tópicos, facilitando a pesquisa por item de interesse. É possível imprimir, baixar e salvar todo o material. Todo o conteúdo está disponível, gratuitamente e com acessibilidade digital, no site http://www.amankay.org.br/educadorinclusivo/.

3 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *