Filme “Teu Mundo Não Cabe nos Meus Olhos” terá audiodescrição, Libras e LSE

Na trama, Vitório (Edson Celulari) é cego de nascença e dono de uma pizzaria herdada de seu pai no tradicional bairro do Bixiga, em São Paulo

Cena do filme "Teu mundo não cabe nos meus olhos". O ator Edson Celulari, um homem de 60 anos, branco, com olhos azuis, caminha pela rua, com uma bengala para cegos, acompanhado de um home mais novo, de boina e um bigode escuro e espesso.
Compartilhe:

Com estreia em 3 de maio, o longa-metragem Teu Mundo Não Cabe Nos Meus Olhos terá exibições com audiodescrição, Libras (Língua Brasileira de Sinais) e LSE (legendas para surdos).

Estrelado por Edson Celulari, Soledad Villamil, Leonardo Machado, Giovana Echeverria Roberto Birindelli e Carlos Cunha, com direção de Paulo Nascimento (A Oeste do Fim do Mundo, Diário de Um Novo Mundo), o filme teve locações em Porto Alegre e em São Paulo, e é uma coprodução da Accorde Filmes, Telecine e Paris Filmes.

Na trama, Vitório (Edson Celulari, de Diário de Um Novo Mundo), cego de nascença, é dono de uma pizzaria herdada de seu pai no tradicional bairro do Bixiga, em São Paulo, famosa por oferecer a melhor pizza da região.

Vivendo uma vida feliz com a mulher Clarice (Soledad Villamil, de O Segredo dos Teus Olhos), a filha Alícia (Giovana Echeverria, de #Garotas – O Filme) e seu assistente na pizzaria, Cleomar (Leonardo Machado, de Os Senhores da Guerra), Vitório está em pleno controle da vida, adaptado à sua cegueira. Mas após um infeliz incidente, seguido pela descoberta de que existe a possibilidade de enxergar, Vitório inicia um conflito consigo mesmo – e vai precisar tomar uma grande decisão, que influenciará todos à sua volta.

O filme fala sobre a necessidade de tolerância e respeito ao desejo dos outros, mesmo que seja para não ver o mundo tal qual enxergamos. Uma história universal e popular, que envolve uma paixão que se esvai pela falta de compreensão, uma amizade que transcende todas as barreiras e as paixões pelo futebol e por oferecer aquela pizza perfeita, que só quem entende o ingrediente em sua essência sabe fazer.

FICHA TÉCNICA 

Roteiro e direção Paulo Nascimento
Produzido por: Edson Celulari e Paulo Nascimento
Produção executiva: Marilaine Castro da Costa
Uma realização Accorde Filmes, Telecine e Paris Filmes

9 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *