Apple e Microsoft ajudam a criar um novo padrão para terminais braile

As duas gigantes da tecnologia se uniram para otimizar a tecnologia em braile de terminais

Foto vista de cima de uma pessoa utilizando um terminal braile conectado a um smartphone
Compartilhe:

Confira a nota da MacMagazine sobre a parceria entre Apple e Microsoft:

É muito interessante ver a rivalidade de empresas caindo por terra quando elas se juntam para criar algo que beneficia a muitos, principalmente quando se tratam de pessoas com necessidades especiais.

E é exatamente isso que a Apple, a Microsoft e outras empresas de tecnologia fizeram ao colaborarem na criação do mais novo padrão para terminais braile (braille displays).

A organização sem fins lucrativos USB-IF (USB Implementers Forum) anunciou hoje o novo padrão USB HID (Human Interface Device) para terminais braile.

A Apple já suporta diversos terminais braile em seus dispositivos móveis, possibilitando a leitura e a escrita digital de usuários cegos ou com baixa visão. Entretanto, o novo padrão irá facilitar o funcionamento desse tipo de dispositivo em qualquer tipo de hardware ou sistema operacional.

Sarah Herrlinger, diretora de políticas e iniciativas de acessibilidade global da Apple, falou sobre a participação da Maçã no projeto:

“A tecnologia deve ser acessível a todo mundo e a Apple projeta todos os produtos com isso em mente. Estamos orgulhosos de promover este novo padrão do USB-IF porque acreditamos em melhorar a experiência de todas as pessoas que dependem de terminais braile para usar seus produtos Apple ou qualquer outro dispositivo.”

O chefe do programa de acessibilidade do Windows na Microsoft, Jeff Petty, também falou sobre o projeto, afirmando que a empresa “vê a oportunidade que os avanços em tecnologia podem criar para pessoas com deficiências” e “tem a responsabilidade de desenvolver novas formas de capacitar todos para obter mais”. Ele acredita que, com a implementação desse novo padrão, a taxa de desemprego para pessoas com deficiência melhorará.

Definitivamente, não há melhor uso da tecnologia do que aplicá-la em acessibilidade, a fim de proporcionar oportunidades igualitárias às pessoas que normalmente não teriam.

Fonte: MacMagazine

9 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *