CCJ discute acessibilidade para PCDs em instituições de ensino

Projeto obriga as instituições de ensino públicas e privadas de São Paulo a oferecerem acessibilidade para pessoas com deficiência

Em fundo roxo, ícone de um capelo em branco
Compartilhe:

Em reunião realizada nesta terça feria (26/6), a CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) concedeu parecer favorável ao PL 697/2017. O Projeto obriga as instituições de ensino públicas e privadas de São Paulo a oferecerem acessibilidade para pessoas com deficiência (PCDs).

De acordo com o vereador Claudio Fonseca (PPS), os equipamentos públicos de educação e saúde devem ser referenciais de políticas públicas. “Num espaço público, como numa escola, é preciso ter a adaptação de todas as estruturas que permitam a acessibilidade”, comentou o autor do PL.

Outro projeto que também foi analisado pela CCJ foi o PL 175/2018, do vereador Jair Tatto (PT), autoriza o Poder Executivo a inserir nas disciplinas da grade curricular de ensino das escolas municipais da capital, conteúdos relativos ao trabalho da Defesa Civil.

“Nós fizemos uma alteração no texto, pois o documento trazia a obrigatoriedade, no entanto, a grade curricular é regulamentada pelo MEC (Ministério de Educação Cultura) e não pela Prefeitura de São Paulo, assim sendo a disciplina fará parte do currículo extracurricular e será tratando como atividade complementar e não como matéria obrigatória”, comentou o relator do Projeto, vereador Reis.

Fonte: Câmara Municipal de São Paulo

3 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *