Prefeitura de Campo Grande inicia curso de barbeiro e cabeleireiro para PCDs

As aulas integram a programação em celebração ao mês da pessoa com deficiência

Foto de uma sala fechada, com pessoas de diversas idades reunidas em círculo durante aula de barbearia. Algumas delas estão em cadeiras de rodas
Compartilhe:
A| Prefeitura de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, por meio da Subsecretaria dos Direitos Humanos (SDHU) começou nesta terça-feira, 11/9, mais um curso de barbeiro e cabeleireiro. O diferencial, desta vez, são alunos com algum tipo de deficiência que, nesta etapa, incluem três homens e sete mulheres.

O instrutor Marcos Rogério inicia o curso em setembro, mês de celebração da pessoa com deficiência: “A gente vê que as pessoas com algum tipo de limitação é capaz de desenvolver outras habilidades e aprender mais uma profissão na vida. Eles vão ter uma profissão e a própria renda. No mês de dezembro estarão preparadas para trabalhar no salão de beleza ou numa barbearia”.

De acordo com o subsecretário da Subsecretaria dos Direitos Humanos, Ademar Vieira Júnior este é o primeiro de muitos cursos que será feito pela Subsecretaria.

“Os alunos terão apostilas e receberão todas as instruções necessárias para fazer um bom corte de cabelo. Este trabalho é mais do que uma qualificação e mostra que as pessoas com deficiência são capazes de desenvolver qualquer trabalho. Acreditamos nelas e estamos promovendo este curso”, comenta Ademar Júnior.

O coordenador de Apoio a Pessoa com Deficiência, David Marques destaca que uma pessoa que possui algum tipo de deficiência é capaz de desenvolver outras habilidades.

“Estamos começando com uma turma pequena, mas temos certeza que nos próximos cursos a sala estará cheia de alunos. O curso vai ser um sucesso e o desafio deles é superar as próprias dificuldades. Este mês ocorrerão varias ações da coordenadoria da pessoa com deficiência, por meio da SDHU, e o curso de cabeleireiro para PCDs e um marco na gestão, que faz com que a inclusão, cada vez mais se fortaleça. Sabemos que o trabalho dignifica o homem e daqui sairão profissionais competentes para exercer esta função”, disse David.

Suzana Vieira foi a primeira a experimentar a fazer um corte de cabelo e está na expectativa de aprender a nova profissão: “Nós temos toda a estrutura da SDHU. Vamos ter a apostila com todas as normas e estilos de cortes. Para nós é uma superação a mais e temos que agradecer a Prefeitura por esta oportunidade”, comentou Suzana.

O curso acontecerá na Subsecretaria dos Direitos Humanos todas as terças no período da tarde e terá duração de três meses.

Fonte: A Crítica Site externo

9 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *