Marca norte-americana fala sobre independência de PCDs

Tommy Adaptive conta com adaptações para serem mais inclusivas às pessoas com próteses e outros tipos de deficiência física

Foto de modelos de diversas idades com deficiências físicas posando para a marca
Compartilhe:

Leia a matéria do Estado de S. Paulo sobre a marca inclusiva da grife Tommy Hilfiger:

A grife Tommy Hilfiger tem uma linha paralela a sua marca principal que não é tão conhecida pelo grande público, a Tommy Adaptive, especializada em roupas para pessoas com deficiência física.

As peças, que atendem homens, mulheres e crianças, foram adaptadas para serem mais práticas de vestir e mais confortáveis, têm fechos magnéticos ou de velcro e aberturas que acomodam melhor as próteses.

A nova campanha, que fala sobre a independência das pessoas com deficiência física, é focada nas diferenças que fazem cada pessoa única. O filme foi dirigido por James Rath, que nasceu cego por causa de albinismo ocular e é estrelada por Dmitry Kim, dançarino de hip-hop que tem uma perna amputada, Mia Armstrong, que tem síndrome de down, Lauren ‘Lolo’ Spencer, que tem esclerose lateral amiotrófica, Gavin McHugh, um surfista com paralisia cerebral e outros portadores de deficiência.

“A democratização da moda é um dos valores centrais da marca”, explica Tommy Hilfiger ao WWD. “A coleção Adaptive continua a falar sobre inclusão, transformando o modo como a indústria da moda atende as pessoas com deficiência.”

Fonte: Estado de S. Paulo 

6 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *