Marca de cerveja cria curso de sommeliers para cegos

Criado em parceria com a Fundação Dorina, curso “Sommeliers Extraordinários” busca trabalhar a inclusão de pessoas com deficiência visual

Jovem mulher segurando uma taça de cerveja próxima ao rosto. Ela é branca e tem cabelos na cor castanho claro
Compartilhe:

Fundação Dorina Nowill e a Brahma Extra criaram um curso de sommeliers excluviso para cegos. O programa conta com apostilas digitais acessíveis e também no formato braille.

As aulas acontecem no Instituto da Cerveja Brasil, em São Paulo, com professores treinados pela própria Fundação Dorina Nowill para Cegos.

O curso Sommeliers Extraordinários conta com uma primeira turma de alunos formados, e busca promover a inclusão social. Nos encontros, o olfato e o paladar são exaltados, sentidos fundamentais para o sucesso de qualquer especialista em cerveja.

De acordo com dados da Relação Anual de Informações Sociais do Ministério do Trabalho, no Brasil, apenas 1% do total de vagas de empregos formais é ocupada por pessoas com deficiência.

“Criar este curso faz parte dessa disseminação de conhecimento cervejeiro, mas com um gosto ainda mais especial, já que o fazemos, ao mesmo tempo que estamos ajudando na inserção de centenas de brasileiros no mercado de trabalho. Para nós é um prazer colocar projetos como este no ar, mais do que agradar, queremos fazer a diferença na vida das pessoas”, ressaltou Maurício Landi, gerente de marketing de Brahma Extra.

O Instituto Cervejeiro oferece infraestrutura adaptada com chão tátil. Ao todo são 20 alunos matriculados, entre eles o fotógrafo João Maia, único profissional com deficiência visual fotografando os Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro.

Para mais informações sobre as próximas turmas, acesse o site da Brahma.

Fonte: Hypeness

9 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *