Teclado para pessoas com deficiência vence prêmio mundial de US$ 150 mil

Desenvolvido por empreendedores brasileiros, o dispositivo pode ser acionado com o toque de qualquer parte do corpo e também é compatível com sensor de piscadelas

Foto do Teclado Inteligente Multifuncional TiX. O equipamento tem uma superfície branca, com botões grandes e coloridos.
Compartilhe:

Empreendedores formados pela Universidade Federal de Minas Gerais venceram o prêmio Entrepreneur Hero durante a EdTech Innovation Start-up Competition 2018, realizada em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes, com o Teclado Inteligente Multifuncional TiX.

O equipamento concorreu com outras propostas de tecnologias relevantes para ecossistemas educacionais de 58 países. Com a vitória, o projeto recebeu o investimento de US$ 150 mil.

“O produto nos orgulha porque foi concebido para gerar possibilidades e transformar a vida dos usuários”, afirmou o engenheiro eletricista formado pela UFMG, Adriano Rabelo Assis, diretor da startup Geraes Tecnologia Assistiva, responsável pelo TiX.

O teclado faz parte de um conjunto de soluções para facilitar o uso do computador por pessoas com limitação de movimentos e de coordenação motora. Ele possui 11 botões grandes e coloridos, espaçados e sensíveis ao toque. O acionamento de dois desses botões, em sequência, equivale a uma das teclas do teclado convencional.

“Para indivíduos com deficiência severa, é muito mais fácil apertar dois botões no TiX do que acertar um único ‘alvo’ no teclado convencional, sem esbarrar nas demais teclas. Livre da frustração de errar, o usuário é mais eficiente na digitação”, explicou Adriano Assis.

 

Por meio de uma sequência de toques, muda-se a função do teclado e pode-se operar o mouse. “Para pessoas sem coordenação motora fina, o desafio de manipular o mouse é ainda maior. As ações de clique duplo e de arrastar itens, por exemplo, são complexas e exigem precisão”, observou o engenheiro.

O TiX também funciona através do movimento dos olhos ao ser conectado com um detector de piscadelas, que pode ser instalado na haste de quaisquer óculos.

Confira mais detalhes sobre o projeto no site da Universidade Federal de Minas Gerais.

Fonte: Hoje Em Dia

9 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *