Startup brasileira de educação para surdos é finalista de prêmio internacional

Plataforma online de educação e capacitação para pessoas surdas, em Libras e com legendas, não tem concorrentes no Brasil ou no mundo; conteúdo é quase todo desenvolvido pela comunidade surda

Foto de 4 homens e 4 mulheres em volta de um notebook, sorrindo e apontando para a tela, com logotipo da Signa
Compartilhe:

Confira a máteria do portal G1 sobre a startup Signa, uma das 30 finalistas do Prêmio Next Bilion Edtech:

A startup brasileira Signa, que oferece uma plataforma de educação online para surdos, é uma das 30 finalistas do Prêmio Next Billion Edtech, que será realizado em 23 e 24 de abril, em Dubai, durante o Global Education & Skill Forum. Os três primeiros colocados levam US$ 25 mil, e serão escolhidos por um júri composto por investidores, educadores e especialistas em “edtech” –tecnologia educacional – de todo o mundo.

“Foi uma surpresa, não estava no nosso radar”, diz Fabíola Rocha, co-fundadora e diretora geral da Signa, que tem sede em Florianópolis, SC. Para ela, a empresa atendeu a dois pontos importantes da premiação: trabalhar com educação e impactar pessoas que tenham dificuldade de ter acesso – seja por problemas financeiros ou por dificuldades “operacionais”. “No nosso caso, trabalhamos com surdos que não necessariamente não tenham dinheiro. Mas não existe oferta de produtos e serviços para eles”, diz a diretora.

A plataforma online de educação e capacitação para pessoas surdas, em Libras (língua brasileira de sinais) e com legendas, não tem concorrentes no Brasil, e mesmo no mundo. E o conteúdo é feito praticamente todo pela comunidade surda – seja produzido pela própria Signa, seja pela comunidade, de uma forma similar ao YouTube, por exemplo.

“Nós temos muitos surdos no Brasil que são formados e sabem muito bem Libras, têm experiência muito grande em alguma área específica, e que têm total potencial para produzir conteúdo. Ainda assim, nós fazíamos muita coisa ‘em casa’”, lembra Fabíola. Mas a estratégia esbarrava no gargalo da alta demanda e da equipe reduzida. Foi aí que surgiu a ideia de criar um “marketplace”, ou seja, capacitar a comunidade surda para produzir conteúdo – e ganhar uma comissão por isso.

“Decidimos produzir um material ensinando tudo sobre como fazer cursos online, da ementa até o final. E aí a gente oferece isso para a comunidade surda para que eles possam produzir seu próprio curso e, ao final, ter a possibilidade de colocar seu conteúdo dentro da Signa”, conta Fabíola.

A diretora lembra ainda que o “marketplace” da Signa é o primeiro passo para uma internacionalização do serviço. “Imagine que teríamos que produzir conteúdo em outra língua sinais, para os EUA, por exemplo – afinal, eles não usam Libras. Seria muito complexo pensar tudo do zero. Assim, nós chegamos para a comunidade, mostramos que eles podem produzir e isso se torna viável em um tempo menor”.

Uma das startups vencedoras do Prêmio Next Billion Edtech de 2018 foi a Chatterbox, que oferece cursos de idiomas através de uma plataforma de baixo consumo de banda – e com aulas oferecidas por refugiados. Isso mostra que, além da tecnologia e da proposta educacional, a inclusão social tem papel fundamental na escolha dos jurados. E essa é uma das missões da Signa, diz Fabíola.

“A gente traz pessoas surdas pra equipe, e não faria sentido preparar os surdos para o mercado, mas não trazê-los para a gente. Damos cursos de Libras para todos na empresa. E, como fazemos reuniões diárias, é muito interessante ver como essa integração acontece. Para a gente, é uma experiência muito legal, que mudou muito a motivação da equipe”.

Segundo o Censo de 2010 realizado pelo IBGE, 9,7 milhões de pessoas têm deficiência auditiva. Pouca gente sabe, mas a Libras é uma das línguas oficiais do Brasil desde 2002 – tendo o mesmo status que o português. Mas engana-se quem pensa que é apenas uma transcrição gestual de nosso idioma.

A Libras é uma língua com estrutura gramatical própria e com organização das informações, totalmente diferente do português. Por isso, a língua de sinais utilizada em Portugal (LGP) é um sistema completamente diferente do nosso – assim como a usada nos Estados Unidos (ASL). E um dado curioso: 80% dos surdos do mundo são analfabetos nas línguas escritas. Ou seja, boa parte da comunidade é alfabetizada em Libras – e sequer entende o português.

“Tem surdos que não sabem escrever, que é o caso do meu pai, que nunca foi educado no português. Ele usa Libras, que é seu meio de comunicação. Tem surdos que sabem um pouco das duas línguas, e tem surdos que não sabem Libras: só sabem o português. Dá para imaginar a complexidade de criar uma plataforma para a comunidade?’, diz Fabíola, que é uma “Coda”, sigla em inglês para “filho de um adulto surdo” (child of a deaf adult).

A Signa vai apresentar seu projeto no Global Education & Skills Forum (um “pitch”, no jargão das startups). Mas, no anúncio final, serão chamados ao palco principal apenas seis startups, e dentre elas as três melhores serão premiadas com US$ 25 mil. O grande vencedor também receberá o troféu do Prêmio Next Billion.

As 30 startups selecionadas para a final do Prêmio Next Billion são: Talk2U, OxEd, Whetu, Signa, SimBi, Moi Social Learning, Kuwala, Etudesk, PraxiLabs, Langbot, Seppo, Lesson App, Eneza, Aveti Learning Pvt. Ltd., Utter, Dost, Solve Education, M-Shule, eLimu, Wizenoze Ltd, ScholarX, Sabaq, Silabuz, Zelda, MTabe, Ubongo, Fineazy, TeachPitch, Big Picture Learning/Imblaze e Augmented Learning.

Fonte: G1

11 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

  3. em algumas companhias de avião (Latam, Gol…) só é permitido o voo gratuito do def.fisico em caso de tratamento médico comprovado, para isso deve preencher cadastro valido por um ano, no caso do acompanhante terá 50% de desconto na viagem. melhores informações no Youtube “Pessoas com deficiência terão passe livre em aviões” ou similares. boa sorte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *