Confira 4 dicas para aprender o básico de Libras

Aprenda a se comunicar com as pessoas com deficiência auditiva e promova a inclusão

Em fundo verde, ícone em branco com ícone que representa Libras
Compartilhe:

Hoje é celebrado o Dia Nacional do Surdo. A data é importante para dar visibilidade à população com deficiência auditiva e contribuir para um mundo cada vez mais inclusivo. Confira quatro dicas para aprender o básico de Libras, a Língua Brasileira de Sinais, em matéria produzida pela redação da Revista Galileu.

É por meio da linguagem dos sinais, conhecida por libras, que as pessoas com deficiência auditiva e de fala se comunicam entre si e com o restante da comunidade. Aprovada como meio legal de comunicação pela Lei 10.436, de 2002, a língua é o que permite que cerca de 9,7 milhões de brasileiros surdos (segundo Censo 2010 do IBGE) estejam cada vez mais inseridos na sociedade. Por conta disso, é muito importante que todos nós sejamos capazes de nos comunicar com eles – é assim que promovemos a inclusão social.

Se você está interessado em criar um mundo melhor, aventure-se no universo das libras. Separamos algumas dicas gratuitas para quem quer aprender o básico da linguagem:

1. Desde 2015, a USP oferece um curso em sua plataforma online sobre a língua brasileira de sinais. Organizado pelo Prof. Dr. Felipe Venâncio Barbosa, do Departamento de Linguística da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH/USP), o curso traz videoaulas, material didático e atividades com focos em não-surdos interessados em conhecer mais sobre o universo de surdez.

Não é necessário nenhum cadastro para ter acesso ao conteúdo do curso, que não oferece certificado de realização.

2. Se você estiver precisando de uma mãozinha… o Hugo pode te ensinar o movimento certo. O simpático intérprete 3D é o apresentador do aplicativo Hand Talk, que faz tradução automática de texto e voz para Libras.

Além das traduções, o Hugo também ilustra uma série de vídeos para ensinar crianças e adultos a dominar expressões e sinais da linguagem. O aplicativo está disponível para Android e iOS.

3. Já pensou no… YouTube? A plataforma digital reúne pessoas fluentes na língua (sendo elas profissionais ou surdos). É uma ótima oportunidade para conhecer palavras novas. Alguns dos canais em que você pode encontrar conteúdos interessantes e didáticos são o Universidade da Libras, Danrley Oliveira, Libras Pernambuco, Éden Veloso, Paula Maria Markewicz e Incluir Tecnologia.

4. Você também pode buscar por palavras específicas no dicionário online do Acessibilidade Brasil. É possível encontrar termos nas categorias alimento, animais, corpo, família, esporte, entre outros. Quando selecionados, a plataforma indica o movimento das mãos por uma animação e um vídeo de um intérprete.

Fonte: Revista Galileu

9 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *