Cadeira especial possibilita acesso de pessoas com deficiência à parque

Equipamento promove acessibilidade em trilhas do Parque Estadual do Ibitipoca, em Minas Gerais

Foto de uma cadeira julietti. Ela tem apenas uma roda central e dois puxadores nas extremidades semelhante a uma maca hospitalar.
Compartilhe:

O Parque Estadual do Ibitipoca, em Minas Gerais, a partir dessa semana, disponibiliza cadeiras adaptadas para pessoas com deficiência.  Com a iniciativa, esses visitantes poderão chegar a pontos mais altos e de difícil acesso.

“As cadeiras permitem a chegada dos interessados até os atrativos mais distantes, como a Janela do Céu, que fica a uma distância de 16 quilômetros da sede do parque, contando o trajeto de ida e volta”, informou a assessoria do parque.

A cadeira, chamada de Julietti, faz parte do projeto Montanha para Todos. A ideia surgiu com os engenheiros Guilherme Simões e Juliana Tozzi após Juliana desenvolver uma síndrome neurológica rara e não conseguir mais acompanhar o marido nas aventuras. O projeto consiste no incentivo ao uso desse meio de transporte para levar acessibilidade ao maior número possível de áreas verdes do Brasil.

A cadeira adaptada foi desenhada especialmente para Juliana. Segundo o Instituto Estadual de Florestas (IEF), com a ajuda de pessoas que vão conduzir as cadeiras durante as trilhas, o número de visitantes do parque mais visitado em Minas Gerais deve subir.

Além do Parque do Ibitipoca, é possível encontrar e solicitar o uso da cadeira adaptada em parques de 14 estados brasileiros.

Funcionamento da cadeira

As juliettis são cadeiras adaptadas para a realização de trilhas. A pessoa com dificuldades de locomoção fica sentada em um banco e preso a um cinto. A cadeira tem apenas uma roda central e dois puxadores nas extremidades, semelhantes aos de uma maca hospitalar, facilitando a condução sobre solos em desnível.

Interessados em usar a cadeira devem fazer um agendamento pelo e-mail peibitipoca@meioambiente.mg.gov.br. O valor para entrar no parque varia entre R$ 20 e R$ 25, dependendo do dia da semana. O parque oferece duas unidades gratuitamente durante o horário de funcionamento, das 7h às 17h. É importante que o usuário informe também qual atrativo do Ibitipoca pretende visitar para que a administração do parque informe a quantidade de pessoas necessárias para conduzir a cadeira.

Lembrando que o parque oferece apenas a cadeira. Os condutores são responsabilidade dos interessados pelas trilhas. Quem não tiver a quantidade de pessoas disponível que possa fazer a condução pode verificar se existe algum voluntário na região do parque. Para isso, basta informar por e-mail que gostaria de contar com um voluntário que a disponibilidade será verificada.

Mais informações a respeito da Julietti em outros estados estão disponíveis no site da ONG Montanha Para Todos.

Fonte: Correio Braziliense

9 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *