Conheça o Introvertendo, um podcast sobre autismo feito por autistas

Criado em 2018, o podcast já conta com mais de 80 episódios dedicados ao tema

Arte com o desenho de perfis de pessoas um ao lado do outro com o texto "Introvertendo - um podcast onde autistas conversam"
Compartilhe:

O Introvertendo foi criado em 2018 quando universitários autistas se reuniram para falar de uma maneira mais autêntica e verdadeira sobre o tema.

“Queríamos que as pessoas que são autistas, ou mesmo os familiares de autistas, sentissem que não estão sozinhas”, diz Tiago Abreu, host e um dos fundadores do podcast.

Há dois anos no ar, o podcast, que conta com mais de 80 episódios publicados, vem abordando questões relacionadas ao transtorno, como saúde mental, interação social, sensibilidade sensorial e parentalidade.

Em sua nova temporada, que iniciou no dia 24 de janeiro de 2020, contará com apoio da empresa Superplayer & Co com o objetivo de expandir o seu alcance. Além das já conhecidas discussões sobre autismo (feitas por autistas), a nova temporada abordará de forma mais ampla outros transtornos relacionados à saúde mental.

“Ao longo dos anos, temos recebido muitos comentários de ouvintes que não são autistas, mas que se identificam com as nossas discussões. Decidimos dar maior abertura ao nosso conteúdo para falarmos para mais gente e com mais gente”, afirma Tiago Abreu.

Outra novidade do podcast é a participação de Willian Chimura, um dos maiores produtores de vídeos sobre autismo da atualidade. Além de pesquisador e autista, Willian é dono canal de YouTube “Um canal sobre autismo”, que possui mais de 80 mil inscritos.

Recentemente, o assunto do autismo voltou à pauta com a lei Romeo Mion, que assegura pronto atendimento e prioridade no atendimento e no acesso aos serviços públicos e privados, em especial nas áreas de saúde, educação e assistência social às pessoas com o transtorno.

O Introvertendo está disponível em todas as plataformas de podcasts e seu conteúdo pode ser conferido pelo site: http://www.introvertendo.com.br/

Com informações de assessoria de imprensa

9 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *