Fábricas de Cultura terão novos recursos de acessibilidade para pessoas com deficiência visual

Os equipamentos serão distribuídos nas unidades da zona leste de São Paulo, e também na cidade de São Bernardo do Campo

Foto de um óculos, em cima de um livro aberto, com o dispositivo OrCam MyEyes acoplado em uma de suas hastes
Compartilhe:

Novos equipamentos voltados à acessibilidade de pessoas com deficiência visual tiveram sua entrega anunciada nesta quarta-feira, 27, pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo.

Entre os dispositivos, consta a OrCam MyEye, uma câmera para óculos que proporciona visão artificial, permitindo acesso à informação sem necessidade de conexão com a internet.

O aparelho acoplado a uma armação de óculos detecta textos em português, inglês ou espanhol que estejam em revistas, jornais, celulares, computadores, embalagens e etc.. Ele permite a leitura de 100 a 250 palavras por minuto.

Os materiais serão distribuídos nas Fábricas de Cultura da Vila Curuçá, Sapopemba, Itaim Paulista, Parque Belém e Cidade Tiradentes, na zona leste de São Paulo, e também na cidade de São Bernardo do Campo.

“Nosso objetivo é oferecer aos alunos ainda mais acessibilidade, por meio das ações e atividades nas Fábricas de Cultura, investindo em equipamentos e infraestrutura de ponta”, afirmou o secretário Sérgio Sá Leitão, destacando que serão entregues seis unidades dos dispositivos eletrônicos, em parceria com a Organização Social Catavento.

Segundo a Secretaria, as bibliotecas das unidades também já contam com linha braile, leitor autônomo, leitor de livros digitais, ampliador de caracteres, teclado ampliado, mouse adaptado, folheador eletrônico e impressora braile.

Fonte: Estadão

6 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *