SP abre inscrições para cursos gratuitos de inclusão digital para pessoas com deficiência

Iniciativa oferece cursos de ensino à distância com foco em alfabetização digital, digitação, redes sociais e tecnologia assistiva

Foto de uma mulher cega sentada. Em sua mão está um smartphone.
Compartilhe:

A Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência abre inscrições para cursos de inclusão digital para pessoas com deficiência. Gratuitos e em formato de ensino à distância (EaD), os cursos visam desmistificar o sentimento de medo e insegurança em acessar recursos tecnológicos.  As inscrições devem ser realizadas pelo link https://bit.ly/CursosInclusaoDigital.

Dentro do módulo de inclusão digital, os interessados podem se matricular nos cursos de: Alfabetização Digital, Digitação, Redes Sociais e Tecnologia Assistiva voltada para pessoas com deficiência visual.

A ação é realizada em parceria com o Centro de Tecnologia e Inovação e com o Serviço de Reabilitação Lucy Montoro – Jardim Humaitá, equipamentos da Secretaria.

“Os cursos de inclusão digital tem como objetivo proporcionar maior inclusão e acessibilidade digital e tecnológica das pessoas com deficiência, principalmente neste período de pandemia”, ressaltou a Secretária Estadual dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Célia Leão.

Serviço

Inscrições abertas para cursos gratuito de inclusão digital
Cursos: Alfabetização Digital, Digitação, Redes Sociais e Tecnologia Assistiva voltada para pessoas com deficiência visual
Modalidade: Ensino à distância
Inscrições gratuitas: https://bit.ly/CursosInclusaoDigital
Dúvidas e informações: Segunda a sexta-feira, das 8h às 17h – e-mail faleconosco@cti.org.br ou por meio do aplicativo WhatsApp (11) 99841-6685 / 99690-3359

Com informações de assessoria de imprensa

6 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *