Conheça os projetos premiados na categoria inclusão do Desafio Criativos da Escola 2020

Mapa de acessibilidade, placas em Braille sustentáveis e plataforma de vídeo com legenda e tradução em Libras foram os escolhidos por promover a inclusão de pessoas com deficiência

Foto de um grupo de meninas conversando com uma idosa sentada no banco de uma praça
Compartilhe:

Por conta da pandemia, a 6ª edição do Desafio Criativos da Escola, programa do Instituto Alana, foi adaptada para que os estudantes pudessem participar de missões, individuais e coletivas, à distância e propor um plano de ação em cinco categorias: educação, qualidade de vida, igualdade, meio ambiente e inclusão. Neste formato, o Desafio ampliou a quantidade de projetos premiados para 50.

Os grupos vencedores receberão um prêmio de R$ 2 mil para que possam colocá-los em prática. Além disso, os estudantes e educadores selecionados se tornarão embaixadores e embaixadoras do Criativos da Escola.

Confira abaixo quais foram os planos de ação premiados dentro do tema da inclusão:

Projeto Acess

De Goiânia (GO), o projeto “Access”, organizado por estudantes do colégio Prevest e do Prepara Enem, tem como intuito promover a inclusão de pessoas surdas nas atividades on-line: por conta das aulas à distância, elas passaram a ter maiores dificuldades de aprendizado. Os estudantes perceberam que as plataformas on-line e a maioria dos vídeos que circula na internet não têm legendas ou conteúdos em Libras, tornando difícil o acesso à educação, à informação e ao entretenimento para pessoas com algum tipo de deficiência auditiva.

O grupo, portanto, deseja desenvolver uma plataforma capaz de criar legendas para vídeos, ao vivo e gravados, e, que tenha, também, tradução para a Libras. Quando o projeto for iniciado, os estudantes pretendem criar um site para abordar a importância do uso de legendas em conteúdos digitais, com o intuito de tornar a plataforma uma referência. Além de criarem produções sobre acessibilidade, os estudantes querem desenvolver formas interativas para o aprendizado da língua de sinais, por meio de jogos, por exemplo.

Mapa da Acessibilidade 

A qualidade de vida de uma pessoa idosa está intimamente ligada ao seu ambiente, que deve ser seguro e acessível em todos os tipos de situações. A acessibilidade é uma condição fundamental para garantir às pessoas mais velhas o direito de transitar livremente em espaços urbanos. Para propor soluções em prol da mobilidade dos idosos no centro da cidade, estudantes do Colégio Salesiano, em Itajaí (SC) elaboraram o projeto Mapa da Acessibilidade do centro da cidade de Itajaí.

Após realizarem uma pesquisa sobre as estruturas de acessibilidade para os idosos na cidade, os estudantes notaram que alguns locais ainda eram críticos e perigosos. Esta situação limitava o acesso e inclusive colocava em risco a integridade desse público, que pode sofrer quedas e até ser atropelado. Isso motivou o grupo a buscar por melhorias e foi assim que elaboraram um mapa, que tem como objetivo criar áreas de maior acessibilidade para os idosos no centro da cidade.

O grupo pretende ajudar na criação de rotas com sinalização e mudanças estratégicas de percurso. A ideia é que os idosos possam utilizar o transporte público com segurança, consigam chegar aos seus destinos de forma autônoma, e, assim, ir a museus, igrejas, praças, bancos e lojas e etc. A iniciativa também tem o intuito de preparar trabalhadores do comércio local para atender, orientar e dar o suporte necessário ao público com deficiência visual.

Placas em Braille Sustentáveis

Estudantes da Escola SESI Industrial Abelardo Lopes, de Maceió (AL), desenvolveram um plano para implantar placas sustentáveis em Braille na cidade. O material será produzido a partir de canos PVC e placas de PP reutilizados nas instituições públicas e privadas.

A lista completa de todos os projetos premiados no Desafio Criativos da Escola 2020 está disponível aqui

Fontes: Com informações de assessoria de imprensa e do site Porvir 

9 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *