Deficiência auditiva deve atingir um quarto da população mundial até 2050

25% da população mundial poderá sofrer algum tipo de deficit na capacidade de ouvir, estima a OMS. Adoção de medidas preventivas e de exames de rotina pode evitar o problema, segundo a agência

Foto de uma menina sentada no colo de sua mãe. Ela usa um aparelho auditivo. Ela repete o sinal feito com as mãos do médico.
Compartilhe:

Um quarto da população mundial, o equivalente a 2,5 bilhões de pessoas, terá algum tipo de perda auditiva até 2050. No primeiro Relatório Mundial sobre Audição, divulgado ontem, a Organização Mundial da Saúde (OMS) alerta que, desses, ao menos 700 milhões precisarão de cuidados auditivos crônicos ou de algum serviço de reabilitação.

Enquanto que, nas crianças, doenças infecciosas e inflamatórias estão entre as principais causas, nos adultos, ruído excessivo é, segundo o órgão da ONU, o mais importante dos fatores envolvidos. A OMS destaca que medidas preventivas podem evitar que um em quatro indivíduos no mundo tenha esse sentido afetado.

“A perda auditiva não tratada pode ter um impacto devastador na capacidade das pessoas de se comunicar, estudar e ganhar a vida. Também pode afetar a saúde mental e a capacidade de manter relacionamentos”, afirma, em nota, Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS. “Esse relatório descreve a escala do problema, mas também oferece soluções na forma de intervenções baseadas em evidências. Encorajamos todos os países a integrarem seus sistemas de saúde como parte de sua jornada rumo à cobertura universal de saúde.”

Lançado ontem, véspera do Dia Mundial da Audição, o documento destaca a necessidade de identificar e tratar precocemente problemas que possam levar à perda auditiva. Segundo a OMS, investir na saúde dos ouvidos é economicamente benéfico: para cada US$ 1 gasto, pode-se esperar US$ 16 de retorno, pois serão evitados tratamentos mais caros, além de possível comprometimento laboral.

Nas crianças, diz o documento, 60% da perda auditiva pode ser evitada ainda na gestação ou quando elas têm menos de 1 ano. “Na fase da gestação, a criança pode ter a alteração porque a mãe adquiriu rubéola. Então, vacinando, não há esse risco”, explica Larissa Camargo, otorrinolaringologista do Hospital Santa Lúcia e membro titular da Sociedade Brasileira de Otorrinolaringologia. Mesmo nos casos de surdez congênita, a médica esclarece que, com a identificação precoce pelo exame de audiometria, pode-se evitar que a criança seja impedida de ouvir e falar, pois há implantes cocleares que corrigem o problema.

O relatório da OMS e a especialista destacam que, na infância, outro problema que pode levar à perda auditiva são as infecções de repetição (otite) não tratadas.

“Na maioria dos países, os cuidados auditivos ainda não estão integrados aos sistemas nacionais de saúde, e o acesso aos serviços é um desafio para aqueles com doenças de ouvido e perda auditiva”, diz o relatório. Segundo o documento, considerando países com baixo índice de desenvolvimento humano (IDH), cerca de 78% têm menos de um otorrinolaringologista por 1 milhão de habitantes, 93% têm menos de um audiologista por milhão (esse profissional identifica distúrbios que pode afetar a audição), apenas 17% têm um ou mais fonoaudiólogos por milhão, e 50% têm um ou mais professores para surdos por milhão. “Essa lacuna pode ser eliminada por meio da integração dos cuidados auditivos aos cuidados primários de saúde”, defende a OMS.

Checape anual
A otorrinolaringologista Larissa Camargo destaca, ainda, que adultos e adolescentes estão perdendo a audição pelo uso excessivo de tecnologia, como fones de ouvido. “Cada vez mais, tenho pacientes jovens com perda de audição pelo uso crônico dos fones. Como são perdas progressivas, começam leves, não há uma percepção da alteração”, diz. Por isso, ela defende a audiometria anual, que pode, assim como um checape cardiológico, identificar precocemente o problema.

“A identificação é o primeiro passo para lidar com a perda auditiva e doenças relacionadas. A triagem clínica em pontos estratégicos da vida garante que qualquer perda de audição e doenças do ouvido possam ser identificadas o mais cedo possível”, destaca a OMS. Segundo o órgão da ONU, avanços tecnológicos recentes permitem uma identificação precoce, assim como o tratamento, seja em crianças ou adultos.

“Para garantir que o benefício desses avanços tecnológicos e soluções seja equitativamente acessível a todos, os países devem adotar uma abordagem integrada centrada nas pessoas”, afirma, em nota, Bente Mikkelsen, diretor do Departamento de Doenças não Transmissíveis da OMS. “Integrar intervenções de saúde auditiva nos planos nacionais de saúde e disponibilizá-las por meio de sistemas de saúde fortalecidos, como parte da cobertura universal, é essencial para atender às necessidades das pessoas em risco de ou vivendo com perda auditiva.”

Fonte: Correio Braziliense

3 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *