Menino Maluquinho e Ziraldo comemoram o Dia Internacional da Síndrome de Down, ao lado de Chico e suas Marias

A primeira das 9 histórias com aventuras inclusivas, escritas por Manuel Filho, foi lançada ontem, 21 de março, e já está disponível para download

Foto de Chico com suas irmãs Maria Clara e Maria Antônia em um espaço aberto
Compartilhe:
Nasce uma amizade que fará história e trará frutos para toda a sociedade. A turma do Menino Maluquinho, maior sucesso editorial de Ziraldo, ganhou novos integrantes. Ao lado de Chico, um menino com síndrome de Down, e de suas duas irmãs mais novas, Maria Clara e Maria Antônia, a turminha vai mostrar a pais, filhos e professores como a inclusão é um assunto urgente e prioritário.

O trio que integrará as novas aventuras tem um portal de conteúdo e entretenimento chamado Chico e suas Marias, que conta o dia a dia das crianças e os desafios da deficiência intelectual, além de dicas de saúde, educação e cultura. A mãe das crianças, Thaissa Alvarenga, é publicitária e largou uma promissora carreira no mercado imobiliário para levar informação às famílias de pessoas com deficiência por meio do portal e da ONG Nosso Olhar. O projeto tem apoio do Caioba Soccer Camp, projeto liderado do ex-jogador e comentarista esportivo Caio Ribeiro, que tem a proposta de usar o futebol como ferramenta de transformação social.

A união das crianças com o Menino Maluquinho resultou em nove histórias de autoria de Manuel Filho, supervisionado por Ziraldo. Elas serão distribuídas em e-books e em versão impressa em vários pontos, gratuitamente. A Federação Brasileira das Associações de Síndrome de Down (FBASD) apoia o projeto e vai entregar as cartilhas para os 38 associados em todo o Brasil.

O projeto foi lançado ontem, 21 de março, no Dia Internacional da Síndrome de Down. Durante o desenvolvimento da ideia, a equipe de Ziraldo realizou um profundo estudo sobre os detalhes da rotina de Chico e das Marias para construir tramas fiéis ao dia a dia de uma criança com trissomia 21.

“O Menino Maluquinho fala de maneira direta, poética e divertida de relações familiares, de amizade, afeto, perdas. E por isso, porque os sentimentos humanos não mudam, os novos tempos e as novas tecnologias não foram e nem são barreiras para novos leitores. O Menino Maluquinho está cada vez mais atual e pode levar a ideia da inclusão”, afirma Manuel.

Segundo Thaissa, as histórias são uma oportunidade de mostrar como as diferenças podem conviver bem. “De forma simples e lúdica, serão abordados temas ligados ao universo das pessoas com deficiência – principalmente as deficiências intelectuais, como a síndrome de Down.”

Desde seu lançamento, em 1980, o livro já teve 129 edições espalhadas por mais de 10 países, vendeu 4 milhões de exemplares, teve duas adaptações para o cinema, versões para o teatro, ópera e histórias em quadrinhos.
Para baixar o primeiro e-book, acesse o site da ONG Nosso Olhar.
Com informações de assessoria de imprensa. 

3 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *