Laratec lança exclusivo leitor de livros digitais EVO E10

Tecnologia para pessoas com deficiência visual oferece suporte e acesso à leitura de livros

Foto vista de cima do aparelho EVO E10 com um fone de ouvido ao lado.
Compartilhe:

O Laratec, centro de tecnologia assistiva da Laramara – Associação Brasileira de Assistência à Pessoa com Deficiência Visual – traz para o Brasil o moderno tocador de livros digitais acessíveis EVO E10.

Recurso é a solução fundamental para ampliar o acesso à informação, ao conhecimento e à cultura por parte daqueles que apresentam algum tipo de limitação à leitura, como pessoas com deficiência, disléxicos e idosos.

Aparelho portátil também conta com uma gama de funcionalidades adicionais, como agenda eletrônica, gravador de áudio e calculadora. Além de acesso à podcasts e estações de rádio via Internet para auxiliar na rotina e no entretenimento do seu usuário.

Todo o software do EVO E10 ainda possui navegação guiada por voz em todos os menus de operação do sistema, incluindo a navegação dos livros e os menus de configuração. Os botões possuem marcações táteis em alto relevo, formatos diferentes e cores em alto contraste para facilitar o reconhecimento e a navegação no sistema. Mesmo enquanto você está lendo um livro, com apenas um botão, o aparelho pode falar a data e hora atual.

EVO E10 integra os recursos disponíveis no showroom do Laratec, que possui desde produtos básicos para o dia a dia, como uma calculadora acessível e bengala até softwares de acessibilidade de alto desempenho e tecnologia. Também é oferecido suporte aos usuários por meio de treinamentos, orientações e assistência técnica especializada.

Para instituição, buscar soluções de acessibilidade permite novas oportunidades para dar autonomia e independência em tarefas cotidianas ou em momentos de lazer.

“A tecnologia assistiva precisa fazer parte do dia a dia das pessoas com deficiência visual, pois ela é uma ferramenta importantíssima no processo de inclusão social”, explica Robert Mortimer coordenador do Laratec.

Com informações de assessoria de imprensa.

3 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *