Dia Mundial do Braille – 04 de janeiro

Fundação Dorina Nowill para Cegos reforça a importância do Sistema Braille na vida de pessoas cegas ou com baixa visão

Ilustração de um par de mãos lendo um livro em Braille.
Compartilhe:

Celebrado anualmente em 04 de janeiro, o Dia Mundial do Braille reforça a importância da alfabetização de pessoas cegas ou com baixa visão. O Sistema Braille nasceu na França, em 1825 e a linguagem foi criada por Louis Braille que perdeu a visão aos três anos de idade. Anos após o ocorrido, ele desenvolveu um alfabeto que possibilita a escrita e leitura, através da combinação de 1 a 6 pontos entre si.

Até hoje, o Sistema Braille é a única forma de alfabetização de crianças cegas ou com baixa visão, pois incentiva o contato direto com textos escritos, além de acionar a mesma área do córtex cerebral que é utilizada com a leitura visual. Por se tratar de uma forma universal de escrita, também pode ser adaptado a diversos alfabetos do mundo – recentemente, ganhou escrita Guarani, no Paraguai.

Ilustração do alfabeto em Braille com fontes e pontos na cor branca, e fundo vermelho aumentando o contraste.

Nos últimos anos a tecnologia vem se sobrepondo a essa linguagem – os recursos digitais, ao mesmo tempo que ajudam na educação e profissionalização de pessoas com deficiência visual, se tornam um risco para extinção do Sistema Braille, pois promovem outras formas de leitura.

“Mais do que nunca precisamos abraçar os recursos tecnológicos voltados à acessibilidade e utilizar essas ferramentas. No entanto, não podemos deixar de lado o Sistema Braille, que há quase 200 anos vem contribuindo para o aprendizado dessas pessoas. É necessário entender que este método ainda é a forma mais importante de autonomia que as pessoas com deficiência visual podem ter”, comenta Regina Oliveira, Coordenadora de Editorial e Revisão da Fundação Dorina Nowill para Cegos.

Fredric K. Schroeder, vice-presidente da Federação Nacional dos Cegos dos EUA, vem alertando para o fato de que cerca de 90% das crianças cegas americanas já estão crescendo sem aprender a ler e escrever. Para ele, isso acontece justamente porque elas estão optando por recursos digitais em detrimento ao Braille, preferindo uma leitura passiva e não estimulante – um fenômeno que muitos chamam de desbraillização.

Se essa realidade não for mudada, em breve todas as crianças que nascerem cegas ou que perderem a visão na primeira infância, serão consideradas analfabetas funcionais. Por isso, o papel da sociedade é importante, pois, ao incentivar a alfabetização em Braille, o aluno passa a ter autonomia, e vai aprender ortografia e toda a simbologia das diferentes áreas do conhecimento (português, matemática, física etc.).

Com informações da assessoria de imprensa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *