Amazonas: uma capital para aguçar os sentidos

Compartilhe:
 Eduardo Shor, da reportagem do Vida Mais Livre
Quando se fala no , uma das primeiras atrações do estado que vem à cabeça é a Amazônia, que responde por cerca de 60% do território brasileiro. Sua riqueza fica por conta da diversidade de animais e plantas da floresta.
Ali se descobrem também novas percepções, cheiros, toques, o que nos faz aguçar os sentidos. É uma das melhores maneiras de aproveitar o local, cuja acessibilidade não é das mais fáceis até mesmo para quem pode andar. Mas se constitui em lugar considerado como um dos símbolos mais significativos do planeta. E vale a pena conhecer.
A capital amazonense não é apenas a porta de entrada para o mundo do turismo ecológico. Há elementos religiosos e culturais que fazem da cidade um destino bem interessante. Algumas das construções foram impulsionadas pelo ciclo da borracha, que garantiu o aquecimento econômico em outras épocas.
Embora Manaus não seja um exemplo de acessibilidade, alguns dos pontos turísticos são dotados de adaptações que facilitam a visita da pessoa com deficiência. Confira!
Catedral Nossa Senhora da Conceição
Construída em 1695, foi a primeira igreja erguida após a fundação de Manaus. Possui sinos importados de Portugal, instalados em 1875. Para entrar na igreja, que não possui banheiro adaptado, cadeirantes fazem uso de uma rampa adaptada.
Teatro Amazonas
Inaugurado em 1896, foi projetado por uma empresa portuguesa de engenharia e decorado por artistas europeus. Tem capacidade para 700 pessoas, cadeiras de veludo e 12 mil peças de madeira-de-lei – encaixadas sem pregos ou cola – no piso do salão nobre. Há corrimão nas rampas que levam ao espaço destinado à plateia. Existem 2 banheiros adaptados com barras de segurança e louças em altura adequada para cadeirantes.
Mercado Municipal Adolpho Lisboa
Inaugurado em 1883, o comércio reúne alimentos e plantas medicinais, artesanato com sementes da região, frutas e hortaliças. As obras da prefeitura no local prometem adaptações para pessoas com deficiência.
Porto de Manaus
Primeiro porto flutuante do Brasil. Seu desenho considerava o fenômeno atual da cheia e da vazante do rio Negro, possibilitando a atracação de navios de diversos portes em qualquer época do ano. No local, há uma grande rampa turística, que pode ser usada por cadeirantes, mas faltam adaptações para quem tem deficiência visual.
Paço da Liberdade
Construído em 1874, a fachada é um dos primeiros exemplos de arquitetura neoclássica da capital. Já foi sede do governo. Hoje em reformas, há previsão de receber adaptações para pessoas com deficiência.
Hospedagem
Há alguns hotéis que facilitam a hospedagem de quem tem algum tipo de deficiência. O Amazon EcoparkSite externo. conta com adaptações para cadeirantes, rampas de acesso e barras de segurança nas paredes. Tem cadeiras de roda para empréstimo e oferece a contratação de intérprete de Libras para hóspedes surdos não oralizados.
Há hotéis com um ou dois quartos adaptados. No Da VinciSite externo., o banheiro dispõe de barras de segurança nas paredes e o quarto tem maior espaço para circulação. No Sleep in ManausSite externo., entre as facilidades, há telefone público do hall rebaixado e vaga reservada no estacionamento.
No Amazon Riverside, os banheiros têm portas mais largas e o piso, tratamento antiderrapante. Suas duas grandes alas são interligadas por rampa que facilita o acesso de cadeirantes.
Com informações do livro Guia Brasil para TodosSite externo., de Andrea SchwarzSite externo. e Jaques Haber.