Angela Maria da Silva Nogueira

Compartilhe:

Há exatamente nove anos, comecei a ter umas dores nos joelhos, mas não dei muita importância. Com o passar do tempo, tudo foi se agravando e os médicos diziam não saber o que eu tinha. Quando foi descoberto que eu tinha artrose, já estava em estágio muito avançado nos joelhos e quadril. Minha coluna também sofreu danos.

Hoje, com cinquenta e quatro anos não ando sem auxílio de uma bengala e estou perdendo a coordenação das mãos. Não consigo ficar um minuto de pé. Olhando com outros olhos, pude ver pessoas em situações piores que a minha e que são felizes. Obrigada senhor por estar viva e por poder enxergar e viver um dia de cada vez. O resto é mera consequência.

9 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *