Angela Maria da Silva Nogueira

Compartilhe:

Há exatamente nove anos, comecei a ter umas dores nos joelhos, mas não dei muita importância. Com o passar do tempo, tudo foi se agravando e os médicos diziam não saber o que eu tinha. Quando foi descoberto que eu tinha artrose, já estava em estágio muito avançado nos joelhos e quadril. Minha coluna também sofreu danos.

Hoje, com cinquenta e quatro anos não ando sem auxílio de uma bengala e estou perdendo a coordenação das mãos. Não consigo ficar um minuto de pé. Olhando com outros olhos, pude ver pessoas em situações piores que a minha e que são felizes. Obrigada senhor por estar viva e por poder enxergar e viver um dia de cada vez. O resto é mera consequência.

6 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *