Uiliam Almeida

Compartilhe:

Resido em Jequié, na Bahia. Tenho uma história de superação e até hoje tenho lutado. Desde criança, tenho o sonho de ser um goleiro. Muitas vezes, não tinha uma bola de futebol, então enchia um saco de papel e fazia como uma bola. Comecei a lutar para este sonho ser realizado. Comecei a jogar em algumas escolinhas de futebol de base.

Quando comecei a treinar em um clube da Bahia, imaginei que estava no caminho certo. Fiquei um tempo ali naquele clube e fui dispensado. Bem triste, decidi voltar para a minha cidade. Um certo peguei um prego para bater na madeira. Quando bati o martelo no prego, a ferramenta pegou do lado do prego e ficou enfiado dentro do meu olho direito. Passei por 6 cirurgias, meu olho ficou podre e quase perdi também o olho esquerdo.

Acabei perdendo o globo ocular totalmente. Hoje, uso uma prótese ocular. Voltei a praticar o esporte e continuo como goleiro. Tenho muito orgulho disso. E, com muita fé em Deus, ainda vou realizar o meu sonho de ser goleiro, de ter a minha casa própria, e dar um bom futuro para o meu filho e minha esposa.

6 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *